Sintoma

Postado em: 1 de junho de 2018

Tem hora a gente sente uns sintomas tão estranhos que chega a estranhar.

 

E Ela acordou procurando por Ele.

Virou-se na cama e sentiu o seu cheiro.

Tudo remexido, parecia que o moço acabara de sair.

Seu cheiro estava por toda a parte e lá embaixo porta acabara de bater.

Silêncio.

Sentou-se e mais acordada um pouco deu-se conta de que não era nada daquilo.

Não havia cheiro, não havia nada remexido, não havia barulho na porta.

Nada.

Só o silêncio dentro de casa e a cantoria do vento lá fora.

Ela que há muito não se lembrava dele se arrastou até o banheiro sem entender que sonho fora aquele.

Fora tão real que tivera até cheiro, gosto, textura.

Os fantasmas apareciam em forma de sonho agora.

Desde quando?

Qual sentido?

Com que propósito?

Lentamente foi se lembrando de cada um dos detalhes vividos no sonho.

Riu sozinha.

Quanto mais se lembrava mais ria.

Por fim, gargalhava.

Fora um sonho bom.

E por quê ele agora?

Tinha um motivo.

Tinha uma razão de ser.

Era saudade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicações

junho 2018
D S T Q Q S S
« maio    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo