Arquivos de ‘Vi enquanto li’ Category

Alguns livros que param em nossas mãos, permanecem alguns dias sob nosso olhos  fazem  com que nos encherguemos em suas páginas.

Esse foi um desses.

Me vi na vida da Emma.

O que temos em comum? Acho que nada, ou quase nada. Mas isso não importa aqui. O que vale é a magia desse livro, é algo encantador.

David Nicholls mostar a evolução e decadência dos personagens por 20 longos anos sempre no mesmo dia de cada um deles.

Olha que mágico: A partir do que você fez, falou, comeu, pensou, amou e odiou hoje, dá pra contar o que foi 2012 em sua vida.

Com maestria ele apresenta os fatos relevantes da vida profissional e amorosa  de  Emma e Dexter.

Em cada capítulo um ano da vida.

Deu vontade de ler devagar para economizar, curtir todos os detalhes.

No fim ficou a dica que o grande legado é mesmo a caminhada que se faz enquanto procuramos alcançar o alvo.

Envolvente e apaixonante.

Amei.

Vivian Antunes.

Já tinha começado ler esse livro antes e desistido.

“Não, tem jeito não, esse moço tá viajando”. Desisti.

Dias desses resolvi tentar outra vez. E que surpresa.

Ele conta a história da família de Jim Hohnberger que resolveu mudar TUDO na vida pra chegar mais perto de Deus.

E deu certo.

Bom ver o processo do encontro, amizade, confiança, dependencia  sendo desenvolvido.

Lá pelas tantas a pessoa olha e pensa: Eu nunca vou dar conta de viver desse jeito. Mas aí o moço apresenta de maneira clara todas aquelas dúvidas que martelam. E mostra que é pssível.

Fórmula? Livro de receitas?

Não!

Ele mostra o que deu certo pra ele e sua família e como é bom viver perto de Deus. Agora é minha parte descobrir o meu jeito de me relacionar com o Pai.

Eu quero.

Vou ler outra vez.

Gostei. Muito.

Vivian.

 

Na capa do livro tem assim: 4 milhões de exemplares vendidos.

O livro virou filme de sucesso e minha amiga falava todo dia: é maravilhoso, é maravilhoso!

Então vamos ler pra ver se consigo aprender como se faz pra  comer, rezar e amar no fim. Ou antes ou durante ou depois sei lá!

O livro conta a história de uma moça que ficou triste com a vida que tava levando e foi pra Ítalia comer, depois pra India rezar e por  pra Indonésia amar.

Enquanto se dedica a saborear maravilhas na Itália, todas das quais tem vontade, nem se importando se está ou não engordando ela aprende a falar italiano.  Comer gostoso e aprender a falar a linguam mais sexy do mundo. Aaaa a moça engordou!

Enquanto reza, conhece pessoas bacanas, se conhece e coleciona subsídio para escrever a parte mais chata do livro. Misericórdia. Parecia que não ia acabar nunca mais. Tava louca pra mudar de país.

E então a moça junta suas coisas e desembarca na Indonésia.

Lindo o lugar,  mais linda ainda a descrição que faz dos brasileiros que conhece por lá. São dois, uma moça e o  moço por quem se encanta. E achei bem muito lindo quando começa a falar da moça,  que acredito chamar Armênia, e  fala dos seus belos cabelos, seu corpo bonito, o jeito leve de se vestir, o bom humor e resume: ela é brasileira!

E assim acontece também com o moço. O fato de ser brasileiro explica o por que uma só pessoa tem tantas qualidades juntas.

Olha, apesar da aparente empolgação, toda a humanidade pode ter gostado, mas eu não gostei desse livro.

Achei que  é lerdo. As descrições são repetitivas, lentas e muito cansativas.

Tenho dificuldade de gostar de livros que tenham na capa quantos volumes já foram vendidos. Essa não é a primeira vez que  acontece. Será que é por conta da expectativa que crio? Não sei.

Gostei não.

Vivian.

Era o final do milênio  e eu estava fazendo minha monografia de final de curso. Ela fez tanta diferença na história da humanidade que hoje nem me lembro de seu título. Se tratava das mulheres que tiveram participação ativa na luta contra a ditadura militar no Brasil.

Li muita coisa legal e entre elas o livro do Zuenir que falava de um 68 que não havia terminado.

Li e esqueci.

Dias desses Vítor me aparece com esse combo. Tava com um preço especial na Leitura e ele trouxe pra morar aqui.

Fui ler de novo e que delícia…

Essa edição lançada por ocasião dos 40 anos pós 68 trás não só os acontecimentos daqueles doze  efervecentes meses mas também, no segundo livro, o que aconteceu com as pessoas e conquistas ali registradas.

O ano começa com “Réveillon da casa da Helô” e é marcado pela morte do Edson Luís, a  Passeata dos 100 mil, o  Festival da canção, o   XXX Congresso da UNE em Ibiúna e finalmente o AI 5 em 13 de dezembro de 1968.

É certo que não foram apenas esses, houveram outros e seus incontáveis desdobramentos. Tantos que é possível dizer que esse ano ainda não terminou. Essa perenidade é registrada em “O que fizemos de nós”. Nele Zuenir nos fala o que foi feito de tantos sonhos de todo aquele vigor. Falta também o que foi feito de tantos valentes sonhadores. Conta a  nós, que lá não estivemos, o que usufruimos daquilo que eles desbravaram, conquistaram.

As gírias, os costumes, o comportamento…

Um balanço. Talvez podemos chamar assim, daquilo que foi feito e do que ficou, por que ficou.

O livro termina com uma série de entrevistas de pessoas que estiveram militando em 68 e que hoje fazem parte da vida pública do país e uma delas me impressionou particularmente.

Sempre admirei pessoas que viveram por uma causa pela qual morreriam. E César Benjamin é uma delas.

O mais jovem militante em 1968 aos 14 anos já estava na clandestinidade. Foi preso, torturado e  dos 5 anos anos que ficou detido 3 foram em uma solitária.

Incrível o que é capaz de fazer quem acredita e vive por uma causa.

Lições deixadas por uma geração que não terminou.

Gostei. Muito.

Vivian.

 

 

 

 

Revelador.

Mostrando as profecias e seu contexto histórica o autor descortina cada um dos acontecimentos proféticos que já se cumpriram e os que ainda virão.

A apresentação do livro em forma de espelho onde a porção histórica (o Grande Conflito em andamento) e a porção escatológica ( o Grande Conflito consumado) são colocadas frente a frente faz com que  o entendimento seja facilitado.

Ao longo dos capítulos as verdades vão se descortinando e dá uma alegria gigante no coraçãozinho: Jesus já cumpriu um monte do que prometeu, então queridão, se Ele começou a cumprir não vai deixar pela metade, vai fazer TUDO do jeito que falou até o fim.

Vale a pena ler de novo.

Gostei muitíssimo.

Tags:

Ricardo o nome do moço. 1950 no verão de Miraflores, Peru ele conheceu quem seria para sempre sua chilenita. Lily, a mais velha e mais baixa das duas irmãs. Encantadoura, de fala rápida parecia já ter feito tudo que aquele menino nunca tinha nem sonhado.

Por falar em sonhos, Ricardo Somocurcio sonhava, desde sempre, morar em Paris.

E assim aconteceu.

Tornou-se tradutor e exerceu esse ofício mudando textos do espanhol para o francês, inglês e mais tarde russo. Ora de um para outro deles.

Estando em Paris conheceu a camarada Arlete, depois madame Robert Arnoux,  Mrs. Richardson e Kuriko.

Todas elas ou melhor: ela sempre tratava Ricardito como “bom menino”.

Bom e paciente menino escolheu viver o seu amor, o seu grande e verdadeiro amor.

Gostei.

 

 

 

Sidney Sheldon dispensa apresentações. Ganhador dos prêmios mais importantes do teatro, cinema e literatura de suspense americanos, seus livros tiveram mais de 300 milhões de exemplares vendidos no mundo  todo.

Mas pra mim, sua criação mais genial foi Jeannie é um Gênio. Aaa pq? Eu achava seu amo lindo e sonhava chacoalhar meu rabo de cavalo e ter o quarto arrumado.

Mas vamos ao Plano Perfeito.

O livro fala da saga de uma mulher abandonada e um advogado ambicioso.

Coloque esses ingredientes no liquidificador e se tem, no mínimo uma mistura explosiva. Pois dessa  não deu outra. Juntos aqui eles pegam e põe fogo em Washington se é que vc me entende.

Aaa tem também uma jornalista idealista e corajosa que passa a história ao redor dos dois, fazendo a diferença não só na vida deles mas de mais gente que surge na história.

O final obviamente é surpreendente, e o tiro que parecia certeiro acerta o pé de um e o outro que tava na cara, estava saíndo pela culatra alcança direitinho o alvo.

Recomendo.

Consegui desencerar quase tudo. Amanhã te conto os detalhes, é hora de dormir.

Vivian Antunes.

O psicólogo Stanley Rosney mostra com exemplos dos clientes que teve ao longo de seus 40 anos clinicando, como conseguimos, com atitudes simples e na maioria das vezes impensadas, colocar água em nossa própria fervura.

Ele começa nos apresentando as diferenças entre os comportamentos daqueles que são conformados com as situações e os que são autonomos.

Nos capítulos seguintes trata da repetição do comportamento no casamento, criação dos filhos, comportamentos punitivos, no trabalho, nos vícios e a compulsão à repetição e por fim como reconhecer e solucionar as repetições de comportamento de auto-sabotagem.

Estranho como a gente se vê em livros nesse estilo. Confesso que em cada um dos capítulos vi um coisinhas que faço mas em um especialmente vi coisas, coisinhas e coisonas que faço, repito e faço outra vez. Terrívelmente assustador como me “auto sacaneio a mim mesma”.

Coloquei entre aspas pra você pensar que copiei de alguém. Não é verdade. Copiei de ninguém, é pérola própria.

Não sei se vou conseguir parar de me zuar, mas foi uma aula e tanto.

Aaa e a lição do dia que o Sr. Stanley me ensinou:

Não há pecados na terapia!

Beijos muitos pra vc que me visita!

Meu programa preferido na hora do almoço: Passar tempo com os produtos da Saraiva.

Com isso já tenho uma lista de  “próximos livros” e conheço todos os vendedores.

Dias desses estava curtindo meu tempo livre quando me deparei com esse manual de resolver problemas. Como fui promovida do “só olhar” pra “comprar de vez em quando”,  trouxe o moço pra casa.

Seu autor é o consultor Den Watanabe  que trabalhou durante seis anos na McKinsey & Company, que é uma firma de consultoria empresarial. Durante esse tempo seu trabalho era orientar corporações do mundo inteiro a  resolver seus problemas. Depois desse tempo dedicado a ajudar grandes empresas ele decidiu que era hora de ensinar as crianças japonesas a resolverem seus problemas de um jeito descomplicado. Segundo ele, se conseguisse isso ajudaria na formação de cidadãos capazes de “assumirem a responsabilidade por sua própria educação e moldarem suas vidas.”

E foi com esse pensamento que ele escreveu o Curso, usando uma maneira lúdica e prática, para cativar o público infantil.

Ele foi surpreendido, pois não só as crianças gostaram de suas “fórmulas” mas esse  se tornou o livro de negócios mais vendido em 2007 e um sucesso na comunidade acadêmica e com pessoas feito eu e você.

Dividido em quatro aulas ele apresenta situações em que é preciso planejamento, organização estratégica para tomar decisões e enfim resolver problemas.

Na primeira aula nos fala sobre os Solucionadores de Problemas onde trás o peril de cinco tipos de pessoas, são eles Dona Suspiro, Sr. Cri-cri, Senhorita Sonhadora, Dr. Apressadinho e por fim os Solucionadores de Problemas.  Apresenta a maneira com que cada um desses personagens se posiciona perante os desafios e quais as consequencias de suas atitudes.

Na segunda lição nos são apresentadas as estratégias usadas pela Senhorita Cogumelo, Berinjela e Tofu. Juntos eles formam os Cogumelos Mágicos.

Os três tetaram ter audiência em seus shows mensais durante algum tempo sem conseguir sucesso. Depois que resolveram fazer o diagnóstico das suas atitudes e traçar estratégias de ação se transformaram em um grande sucesso.

Na terceira lição através do desejo de João de comprar um computador em seis meses sem pedir ajuda a ninguém, somos ensinados a dividir um grande sonho em metas menores.

E na quarta e última aula Kiwi analisa os prós e contras de  viver em uma cultura diferente e aperfeiçoar seu futebol na Escola Milão ou Escola Internazionale.

Em cada uma das lições ele nos apresenta como usar a árvore de sim / não, plano de implementação e outras ferramentas de uso simples e prático.

Não vale só ler. Tem que ler e colocar os conselhos em prática.

Mãos a obra!

Beijo pra vc que me visita.

Vivian

Mais um livro em que a mocinha namora 10 anos o mesmo cara e ao final da década leva um pé na bunda.

Devia estar rolando alguma identificação pra eu estar lendo em seguida o segundo livro da mesma autora né?

Por favor não comente tá!?

Então, depois do fim do namoro ela vai com um ator famoso de Hollywood gravar um filme de sua autoria e sofrem um grave acidente.

Eles ficam presos no meio do gelo e é claro, se apaixonam.

Acontecem tantas coisas mirabolantes que por incrível que possa parecer eles passam duas noites perdidos no Alasca e conseguem uma casa na árvore e uma cabana de caçador confortavelmente decorada e aquecida.

As “mirabolancias” vão acontecendo ao longo das páginas e depois de alguns desencontros, explosões, beijos e abraços tudo acaba bem e eles…

Não vou dizer o vivem … Não! Assim vou parecer as mocinhas da Meg que namoram 10 anos e por fim…

Prometo não ler mais romances bestinhas. Não mais esse ano! 🙂

Atualizei todos Vi enquanto li.

Beijos muito beijos pra vc que me visita.

Vivian.

 


Publicações

julho 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivo